Você está aqui

Fora da Caridade não há Salvação

Foto de bertrand693
Enviado por bertrand693 em ter, 2002-01-15 21:00

Saudações Templárias!

Muitos de nós que hoje trilha uma senda esotérica, tiveram como porta de entrada a Doutrina Espírita Kardecista. Chamo doutrina porque o Espiritismo não deve ser considerado uma religião pois a religião faz parte de seu sistema tríplice de ensino (Religião, Filosofia e Ciência), sistema este codificado por Hipolyte Denisar de Leon, cujo codinome era Allan Kardec que seria seu nome em uma encarnação anterior quando o mesmo viveu como um sacerdote Druída. Algumas pessoas dizem ainda que Kardec viveu na época de Atlântida como o Sacerdote Kan, retornando para estruturar e fortalecer a doutrina evolucionista e reencarnacionista.

O título de nosso artigo de hoje é o principal jargão do espiritismo. Não se conhece um espírita que não tenha escutado a famosa frase “Fora da caridade não há salvação”, o problema é que poucos são os espíritas que realmente entendem esta frase. O que vemos na realidade são grupos espíritas realizando grandes trabalhos de beneficência, trabalhos de grande valor espiritual e material. Estes trabalhos visam a ensinar aqueles que trabalham na doutrina que existe uma necessidade atual do desprendimento do ser humano daquilo que chamamos material.

 Através da prática diária da experiência da caridade o que se espera é que estas pessoas levem para casa a mensagem do desprendimento, aprendendo a não se ater a bens materiais. Desta forma podemos entender o jargão espírita como se ele fosse assim escrito: “Sem o desprendimento material não existirá evolução”. Se a frase fosse apresentada como descrita, seria um choque para muitas pessoas que hoje sabemos ter dificuldade para se desprender dons bens materiais e este poderia ser o fim do espiritismo.

Dentro de nossa Ordem Templária também pregamos o desprendimento só que de uma forma bem mais direta e bem menos filosófica e/ou religiosa pois sabemos que nossos membros possuem uma formação prévia que os habilita a compreender com tranqüilidade a necessidade do desprendimento. No entanto, para trabalharmos na prática este desprendimento, ainda temos que utilizar trabalhos de caridade muito parecidos com os do espiritismo pois sabemos que é só através da prática e do exercício constante que passaremos a ter como hábito atitudes que ainda classificamos como virtudes. Desta forma convidamos a todos os membros de nossa Ordem a desenvolverem um trabalho de beneficência, para tanto, a partir de agora passaremos a apresentar vários serviços hoje disponíveis, até que possamos estabelecer nosso trabalho como frente de beneficência de nossa Ordem. Caso vocês queiram nos apresentar serviços de beneficência nos quais já trabalham, podem nos enviar os dados e uma descrição do trabalho realizado, que teremos o maior prazer em estar apresentando o mesmo em nosso Portal.

 

Que Deus Pai e a Grande Mãe abençoem a todos nós.
Sp. Bertrand DE LIÈVRE, i.o.f.
Esmoler Primaz do Convento do Templo

 

Nota importante: A O.S.T.G. respeita e admira a prática de caridade dos espíritas. Todavia, o fenômeno espírita é visto pela O.S.T.G. sob uma forma bastante diferente da adotada pelas linhagens espíritas. Segundo a visão templária, os denominados espíritos, uma vez libertos do corpo material, são incapazes de interferir no mundo físico, pois permanecem em estado de passividade. Os fenômenos que os espíritas atribuem aos espíritos, sob a visão templária, ocorrem de outras formas, conforme ensinado nas lições internas.